Compartilhe

Assuma as rédeas da sua vida

A nossa felicidade e o amor próprio antecedem o sucesso


 

Em uma mesma semana, três amigas disseram estar infelizes em seus trabalhos. Fiquei espantada com os relatos e isso me fez lembrar um período semelhante, quando não estava feliz em um emprego. Tudo se transformou em um pesadelo, na época, e foi justamente quando resolvi dar uma guinada e empreender.

Entre os motivos para não estarem felizes, as três foram unânimes em afirmar que não viam perspectivas de melhoras. Porém, conversando mais profundamente, o verdadeiro motivo da insatisfação é o relacionamento insatisfatório com as pessoas, seja porque as personalidades não batem ou porque realmente há divergências nas atitudes e estratégias.

Mas por que não mudam? É o que todos se perguntam logo de início. Não vamos julgar, pois não cabe a nós fazer isso, até porque qualquer mudança só acontece quando dá um clique, um estalo que mostra o quanto podemos respirar fora daquela bolha. Parece simples, mas não é. Sair de um lugar que causa insatisfação requer a consciência real de que aquilo tem mais contras do que prós e que nem todas as bonificações e benefícios pagam a paz de espírito. Bate a culpa por termos escolhido errado e nos sentimos péssimas com isso.

Claro que o dinheiro é importante, mas estar feliz significa produzir mais e, obviamente, mostrar o quanto somos boas profissionais. E isso quer dizer, em outras palavras, satisfação! Mas como obtê-la dentro de uma empresa insuportável ou, então, com gestores que não nos respeitam? Não gosto de fórmulas prontas, mas uso receitas que deram certo para mim. Gosto de compartilhar experiências ruins e as boas também.

Uma delas é inverter a equação: a felicidade deve vir primeiro. Como? Acordar feliz, manter uma energia boa, pensar em coisas positivas, ler livros que contam histórias de sucesso, passar a elogiar seus colegas que estão em momentos bons. Tudo isso começa a dar uma sensação de que nem tudo está perdido e começamos a ver o mundo sob outra ótica. E quando as energias começam a se transformar, novos horizontes surgem, com propostas, convites, projetos inovadores e pessoas com pensamentos afins.

Sei que não é fácil acordar e trabalhar num ambiente que não traz alegrias, mas pensar que você é a única responsável pela sua felicidade, dá uma força enorme. Seja positiva, se cuide, mantenha uma boa rede de contatos e, principalmente, estabeleça metas. Se a solução é pleitear aquela promoção, seja assertiva. Fale com seu gestor e mostre sua vontade e o quanto você é importante para a empresa. Se é mudar, comece a se movimentar. Assuma as rédeas da sua vida. Não é o emprego ou o trabalho que nos tornam melhores. É a nossa felicidade e o amor próprio que antecedem o sucesso. O restante é puro lucro. 

Ana Claudia Proença

Jornalista e empreendedora na área de comunicação e marketing