Compartilhe

De dona de casa a fisiculturista:conheça Katia Weschler

Com 47 anos, ela estreou em seu primeiro campeonado de bodybuilder e conquistou o terceiro lugar


 

Uma mudança radical fez uma dona de casa se tornar uma atleta de ponta de bodybuilder (fisiculturismo). Seu primeiro campeonato já foi uma vitória!

A atleta Katia Weschler, 47 anos, participou, em junho, do 5º Campeonato Paulista de Estreantes da IFBB (International Federation of Bodybuilding and Fitness) realizado em São Paulo (SP). Ela competiu na categoria bodyfitness até 1,58 metros e conquistou o terceiro lugar. Já na categoria master foi vice-campeã, a um ponto da primeira colocada.

Estilo de vida

A mudança radical no estilo de vida começou após o nascimento de sua filha, que hoje tem cinco anos de idade. Mãe, pela terceira vez, e aos 42 anos, Katia decidiu que precisava dar uma atenção especial à saúde e na busca por uma vida mais saudável se apaixonou pelo mundo do bodybuilding.

Começou a levar mais a sério e a treinar aos 45 anos, tornando-se um exemplo de determinação, disciplina e força de vontade. Em 2014 traçou o plano de virar atleta profissional para participar de competições de fisiculturismo. Para uma mulher com mais de 40, a preparação é ainda mais árdua e exige um esforço maior.

Sua rotina de treinamentos é diária, com dieta restrita e controlada, acompanhada por profissionais voltados ao fisiculturismo.

Seu próximo desafio será o Campeonato Paulista de Fisiculturismo, que acontece no início de 2016 e seu objetivo mais ambicioso é chegar ao Mr.Olympia, um dos maiores campeonatos internacionais don esporte, que ocorre anualmente em Las Vegas (EUA).

“Há quatro anos eu era uma pessoa totalmente diferente. Ao optar por esse novo estilo de vida, parece que domino o mundo. Acordo e estou pronta para o que der e vier em qualquer situação. Consegui levar minha determinação e foco para outros campos da minha vida e isso tem me ajudado a ser mais prática e eficiente no meu dia a dia e como mãe de três filhos. Hoje sei exatamente o que quero alcançar e a idade, definitivamente, não é um limite”, conclui Katia.

Da Redação