Compartilhe

Dê "folga" ao terninho

Saias e vestidos são alternativas para quem deseja fugir do óbvio


 

Carolina Cavalcante, sócia fundadora da BUW Business Woman, marca de vestuários para a mulher executiva contemporânea, traz dicas a você, que deseja o guarda-roupa ideal para os dias de trabalho.
Quando pensamos nas roupas que as mulheres usam nos escritórios, temos em mente a vestimenta tradicional, ou seja, blazer, camisa e calça. No entanto, para estar elegante e confortável, é possível fugir do óbvio e encontrar alternativas ao look.

 

Não pode faltar...

Para começar a construir um guarda-roupa com foco no trabalho, de acordo com Carolina Cavalcante, a executiva deve investir em três opções básicas:

 

  • Tops: três camisas (cores neutras e coloridas) + três blusas com toque de seda (cores neutras e coloridas) + dois suéteres (cores neutras) + dois blazers (cores neutras);

 

  • Bottom: duas calças retas (cores neutras) + calça afunilada (cores neutras) + saia lápis (cores neutras) + saia reta (cores neutras);

 

  • Full: vestido tubinho + vestido mais leve com toque de seda

 

 

Da porta para fora...

Existem peças que devem ser extintas do closet. “Independente do dress code (código de vestimenta) da empresa e do nível de contato da profissional com clientes e investidores, o ambiente de trabalho exige regras básicas, que geralmente se intensificam com o subir na cadeia hierárquica”, pontua a empresária.

Ela explica que decotes e transparências devem ser evitados. A atenção deve ser redobrada em relação às estampas “infantis” e às lingeries aparentes. Além disso, saias, vestidos e bermudas que estão mais de três de dedos acima do joelho precisam ficar reservadas aos espaços informais.

 

Bem vestida em todas as idades

O sexo feminino ocupa cargos de liderança cada vez mais cedo. Por isso, a preocupação com o que vestir começa por volta dos 20 anos e só termina com a aposentadoria, e em muitos casos, com a morte.

Assim, além de ficar atenta ao código de vestimenta, é importante usar peças que tragam valorização de acordo com cada faixa etária. “A diferenciação que pode haver é que as executivas até cerca de 35 anos de idade, podem abusar um pouco mais da moda. A partir dos 35, o estágio da carreira, assim como a imagem, já estão em um ciclo mais maduro. Portanto aconselha-se adaptar a moda, continuar seguindo tendências, mas nada exagerado ou que infantilize a executiva”, frisa a sócia fundadora da BUW Business Woman.

Para garantir uma imagem mais responsável, a mulher pode investir em algo clássico, fator que incorre em uma menor chance de erro na hora de representar a empresa. Porém, a personalidade deve ser mantida às mulheres de qualquer idade e/ou cargo.

“O modo de se vestir é mais do que a simples aparência. Sabemos que a primeira impressão é feita nos primeiros segundos de contato com qualquer pessoa, além disto, a profissional está representando a companhia, portanto deve se portar como tal. Nos Estados Unidos ainda há a famosa frase 'Dress for the job you want', vista-se para o trabalho/cargo que deseja, o que indica que se os líderes se vestem de determinada maneira, o bom é seguir estes exemplos, é a melhor forma de não errar”, finaliza Carolina Cavalcante.

Por Carla Caroline