Compartilhe

Fit Laser potencializa o poder de pequenos artesãos

Máquina para corte de tecidos sintéticos auxilia na criação de fuxicos, flores, bonecos e bichinhos


 

 

Desde pequena, Yvone Lobato era uma pessoa de iniciativa. Interessada pelos trabalhos manuais, aos 11 anos, se aventurou na máquina de costura e da velha saia da mãe criou um vestido. Mesmo receosa com a possível falta de clientela, aos 14, colocou na porta de casa uma placa com os dizeres “Costura-se para Senhoras?"???. Logo se tornou conhecida no bairro por seus serviços.

O pai sempre lhe incentivara a ser curiosa e se espelhar na figura de grandes inventores. Isso fez com que crescesse nela o desejo de criar soluções para facilitar o dia a dia das pessoas. Essa vontade foi companheira da trajetória profissional de Yvone.

Anos mais tarde, quando já comandava sua própria confecção, teve o insight de elaborar uma máquina que possibilitasse um acabamento de qualidade para tecidos sintéticos sem o alto custo dos equipamentos que utilizam a tecnologia de corte à laser. Com a ajuda do cunhado, o engenheiro Francisco Linhares, ela desenvolveu as primeiras ?seis unidades piloto da Fit Laser.

Duas décadas depois, a empresa gera 17 empregos diretos e ?três indiretos e está presente em todos os Estados brasileiros. O equipamento se tornou sucesso entre os artesãos por se tratar de uma alternativa de baixo custo e alta produtividade para a criação de diversos produtos, flores, bonecos e bichinhos. É possível confeccionar mais de 100 fuxicos por hora sem pegar na tesoura, agulha e linha. Os kits comercializados contam com moldes, pinça, alicate, cola e um DVD com videoaulas.

Yvone se orgulha da criação, pois além de ser uma forma de terapia e geração de renda para as pessoas, auxilia no resgate da autoestima. "Certa vez, participava de uma feira apresentando a Fit Laser e uma senhora se aproximou e ficou interessada pela máquina. Antes de adquirir uma unidade, ela contou que havia sido abandonada pelo marido e que passava por dificuldades para manter o seu lar. No ano seguinte, ela voltou nessa mesma feira para me agradecer e contar que com o artesanato que passou a vender conseguiu colocar suas contas em dia em um mês, abriu uma barraquinha e passou a dar aulas de artesanato", conta.

Os produtos feitos com a máquina ganharam o mundo graças a uma artesã de Aparecida de Goiânia (GO). Ela fez uma colcha de fuxico de cetim e conseguiu mostrá-la para o Cônsul da Alemanha, que gostou da peça e comprou uma para sua sogra. As encomendas começaram a aumentar e ela teve que pedir mais dez máquinas, criando uma equipe para auxiliar na produção para exportação.

Da Redação