Compartilhe

HSM Gestão & Liderança 2014: Clay Shirky, revolução digital

O expert alertou as empresas para a "revolução do tempo livre"


Tempo disponível para um mundo melhor
Clay Shirky, especialista em revolução digital, fez um alerta às empresas: o excedente cognitivo de milhões de indivíduos, organizado em redes, é um recurso gigantesco que não se extinguirá. Segundo ele, há forças atuando no mundo que são, muitas vezes, invisíveis, mas, se as organizações puderem ter acesso a elas, poderão beneficiar-se.
Em sua palestra no Fórum HSM Gestão & Liderança 2014, o especialista compartilhou sua visão sobre a liderança no mundo conectado de hoje. Para ele, "algo que torna a era atual tão impressionante é o fato de podermos tratar o tempo livre como um ativo social que pode ser aproveitado para grandes projetos criados coletivamente", como se lê em seu livroCognitive Surplus (ed. Penguin Books).
O autor explora a possibilidade de termos um ganho em capacidade cognitiva ao nos voltarmos a construir conteúdo de internet, em vez de engolirmos passivamente o conteúdo que a televisão oferece. Em suas contas, o tempo livre dedicado à Wikipedia (calculado em 2006) era 2 mil vezes menor do que o gasto passivamente em frente à TV pelo cidadão norte-americano.
É do tempo -e talento- que não será mais gasto somente com a TV que virá o superávit cognitivo. Em uma das TED Talks, Shirky deixa claro que se trata de geração de conhecimento com base em solidariedade e tecnologia. Ele define o superávit cognitivo como um recurso que representa "a habilidade da população mundial de voluntariar-se contribuir e colaborar em grandes projetos, às vezes em escala global".

Criando para a sociedade
Enquanto a televisão, como mídia, só nos deu a oportunidade de consumir, a internet abre-nos o leque. Podemos também criar e compartilhar. "Mesmo o mais tolo ato criativo ainda é um ato criativo", afirma Shirky, procurando salientar que o grande salto é entre fazer nada e fazer alguma coisa.
 Na internet, de quase tudo se pode criar, e existem iniciativas que têm o que ele denomina "valor cívico". Seu valor é capturado pela sociedade como um todo, gerado por motivações intrínsecas, e não por gratificações externas. Essas motivações intrínsecas são as que nos levam a fazer coisas apenas porque são interessantes, ou só porque é o certo a ser feito, ou porque fazem bem ao mundo. Assim se produzem ficção colaborativa, eventos de protesto ou um vídeo de utilidade pública com o apoio da internet.
 "O comportamento é motivação filtrado pela oportunidade", afirma Shirky em conversa com Daniel Pink, que também escreve sobre tecnologia e sociedade, conforme publicado pela revista Wired. De acordo com Shirky, se as pessoas hoje se comportam de modo diferente, não foram as motivações que mudaram, mas as oportunidades.
 Faltava-nos a habilidade de nos conectarmos uns aos outros e de colaborarmos uns com os outros. Com isso, acabamos acreditando que as pessoas só são extrinsecamente motivadas. Porém, quando formos capazes de apoiar e reconhecer as pessoas por criarem valor cívico, teremos uma sociedade melhor.
 
Referências
SHIRKY, Clay. Cognitive Surplus: How Technology Makes Consumers Into Collaborators. Nova York: Penguin Books, 2010.
PINK, Daniel e SHIRKY, Clay. "Cognitive Surplus: the great spare-time revolution". 24 mai. 2010, Wired Magazine. Disponível online em: <http://www.wired.com/magazine/2010/05/ff_pink_shirky/>. Acesso em: 10 abr. 2014.

Por Fouad Matuck