Compartilhe

Menos ajustes

Levantamento feito em cidades brasileiras pode reduzir a falta de referências de tamanho de roupas no país




A história é quase sempre a mesma: você no provador, sambando para entrar em uma calça jeans tamanho 38, com aquele único pensamento que se tem numa hora dessas: "céus, será que engordei?". Logo depois vem a vendedora te salvar: "Fique tranquila que a 'forma´ é pequena. Prova agora a 40!"

Pensando nesse drama vivido pelos consumidores brasileiros, que o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) do Rio de Janeiro percorre o país em busca de sanar a falta de referências de tamanho para o consumidor que compra roupas. Voluntários de diversas regiões são convidados a responder um questionário e passam por um mapeamento do contorno corporal, por meio de uma espécie de 'body scanner'.  

A previsão é de que o estudo seja finalizando em dezembro deste ano com um total de 10 mil voluntários de norte a sul do Brasil, e que seja o ponto inicial para criar normas de referência, substituindo as tabelas estrangeiras vigentes até hoje. A ideia é que o estudo beneficie não só a industriado vestuário, mas a automobilística e moveleira. 

Atualmente, as normas técnicas que dizem respeito tanto a indústria como o varejo são feitas por adesão voluntária pela Associação Brasileira de Normas e Técnicas (ABNT). O Inmetro, por meio da portaria 166/2011, também é responsável por fiscalizar informações essenciais que devem ser divulgadas ao consumidor. 

Do lado de lá do provador, há a contrapartida das importações feitas pelo varejo, na qual 20 % das compras feitas pelas lojas são artigos importados. No entanto,a criação de normas representa um avanço para o setor de vestuário brasileiro e sua valorização frente ao mercado não só de lojas físicas, mas, principalmente de e-commerces nacionais. 

No fim das contas, creio que o resultado do estudo trará um perfil importante das padronagens brasileiras e facilitará até mesmo a nossa relação de compra e aproximação de peças moldadas com base no biotipo nacional, não ao americano ou europeu. Peças made in Brazil de verdade!

Isabela Mattiolli

Jornalista, especializada em moda, beauté e lifestyle, autora do blog A par de tudo www.apardetudo.com