Compartilhe

Mulheres têm mais propensão a contrair o HIV

No Brasil, uma em cada cinco mulheres não sabe que está contaminada com o vírus da Aids


 
 

Último dado da Agência AIDS, órgão do Ministério da Saúde, mostra que, de todos os casos da doença em mulheres registrados no Brasil, 86,8% foram decorrentes de relações heterossexuais. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o sexo feminino representa mais da metade das pessoas infectadas pelo HIV no mundo.

Segundo a médica Elisabete Fernandes Almeida, especializada em Educação em Saúde e parceira da operadora de saúde Care Plus, a mulher tem mais propensão a ser contaminada pelo HIV do que o homem, pois a mucosa da vagina facilita a entrada do vírus no organismo. Além disso, a superfície de contato da vagina é muito maior comparado ao pênis, o que aumenta a chance de infecção.

Elisabete comenta ainda que o sexo feminino é mais vulnerável, pois as mulheres casadas não costumam exigir o uso de preservativo porque consideram a relação “estável”. Pesquisa da Editora Abril comprova essa confiança: 80% das mulheres confiam no parceiro e, por isso, não exigem o uso do preservativo; entretanto, uma em cada cinco mulheres não sabe que está contaminada.

Outro grupo que também está deixando de lado a camisinha nas relações sexuais são os adolescentes. O aumento da taxa de infectados entre 16 e 24 anos é significativo e comprova que os jovens são descuidados quando o assunto é a prevenção.

Atualmente, no Brasil, há 718 mil pessoas portadoras do HIV e 39 mil casos novos por ano. “Muitos não sabem que existem outras formas de contaminação além do sexo com penetração vaginal; o sexo oral e o sexo anal também são formas de contágio”, alerta a médica e parceira da Care Plus.

Prevenir sempre!

A Aids não tem cura e o tratamento é contínuo. Por isso, a medida mais eficaz para combater a doença é prevenir. O uso da camisinha em todas as relações sexuais ainda é a forma mais segura de evitar o contágio.

“Os casais que iniciam um relacionamento estável devem se submeter a exames para avaliar a presença do vírus HIV, além de outras doenças sexualmente transmissíveis. Porém, a estabilidade do relacionamento não significa que os cuidados devem ser deixados de lado”, explica Elisabete Fernandes Almeida.

Use a camisinha de maneira correta:

  1. Guarde em locais frios e secos. A carteira, por exemplo, pode causar danos e tornar o preservativo ineficaz;
  2. A camisinha tem data de validade, portanto olhe antes de usar;
  3. Nunca abra a embalagem com os dentes;
  4. Use lubrificantes à base de água, já que os óleos facilitam o rompimento do material;
  5. Após o uso, é preciso retirar com cuidado para que o esperma não vaze e descartar com segurança no lixo;

Da Redação