Compartilhe

Soluções estéticas

Medicina a seu favor: cirurgia plástica pós gravidez


A abdominoplastia, ou dermolipectomia, está indicada quando há grande flacidez abdominal e excesso de pele, situação muito frequente após uma gestação, quando ocorre distensão rápida do abdome. Pode ser necessária mesmo em mulheres magras que engordaram poucos quilos na gravidez, ou em homens e mulheres que perderam muito peso, por exemplo, após cirurgia de redução de estômago. A principal preocupação de quem quer fazer abdominoplastia é - o umbigo fica feio? 

Na abdominoplastia, o excesso de pele e gordura da parte inferior do abdome, entre o umbigo e a pube, é retirado como um grande "fuso" na horizontal. A porção superior do abdome, entre o umbigo e a base da mama, será "descolada" da musculatura e "esticada" para baixo, alcançando a pube e cobrindo todo o abdome. O umbigo é deixado em sua posição original, abrindo-se um túnel para sua exteriorização através deste tecido que foi deslocado para baixo. Nesta cirurgia realiza-se também o tratamento da musculatura do abdome, corrigindo o afastamento entre os músculos retos abdominais na linha média - geralmente eles ficam afastados após uma gestação ou grande ganho de peso. Hérnias umbilicais podem também ser corrigidas por este acesso. A cicatriz final ficará naquela prega ou dobra inferior do abdome, que aparece quando se está sentado, e ao redor do umbigo. Alguns pacientes necessitam que se realize lipoaspiração no mesmo tempo cirúrgico, para corrigir eventuais depósitos de gordura localizada.

Durante o procedimento não será feito um umbigo novo. O seu próprio umbigo será mantido em seu local original e, se necessário, remodelado. Deve-se levar em conta que será feita uma incisão, um corte ao redor do umbigo para que ele permaneça em seu local, e por isso existirá uma cicatriz ao redor do mesmo.

A cicatriz resultante de uma dermolipecitomia localiza-se horizontalmente logo acima da implantação dos pelos pubianos, prolongando-se lateralmente em maior ou menor extensão, dependendo da quantidade de pele em excesso; ficará naquela prega que se forma na base do abdome quando alguém se senta. Esta cicatriz é planejada para ficar disfarçada sob as roupas de banho. Como toda cicatriz, passará por vários períodos de evolução.

Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de pele e gordura, evidentemente haverá alguma redução no peso corporal, que varia de acordo com o volume do abdome de cada paciente. Mas, em geral, a diferença na balança é bem menor do que o/a paciente gostaria. Não são os "quilos" retirados que definirão o resultado estético, mas sim a melhora no contorno do abdome e as proporções com o restante do tronco e os membros. Os melhores resultados estéticos são justamente aqueles em que a pessoa não está acima do peso ideal, apresentando aquela "flacidez" do abdome com predominância de pele sobre a quantidade de gordura localizada na região. Em casos em que o paciente está com o peso acima do normal vale a pena lembrar que pode ser vantajoso seguir um tratamento clínico, nutricional ou fisioterápico, ou associar a abdominoplastia à lipoaspiração.

Aconselhamos que tenha todos os filhos programados antes de se submeter a uma dermolipectomia abdominal. Caso ocorra uma gravidez, é impossível prever se a distensão necessária do abdome poderá ser prejudicada, ou mesmo se essa distensão poderá ser corrigida novamente após o nascimento do bebê.

A cirurgia pode ser realizada simultaneamente a cirurgias ginecológicas. Nos primeiros dias, quando é necessário o uso de um dreno de aspiração, há um certo desconforto relacionado à presença do dreno. O dreno funciona como se fosse uma bexiga com vácuo em seu interior, e que por isso aspira as secreções evitando que elas se acumulem na área operada nos dias seguintes à cirurgia. É utilizado a fim de evitar inchaço excessivo no pós-operatório, e a necessidade de punções para esvaziar este líquido, que se forma com bastante frequência. O dreno é mantido enquanto for necessário, variando de dois a sete dias. O dreno é retirado no consultório médico, sem dor. O procedimento pode ser feito com anestesia geral ou peridural. Com relação ao período de internação geralmente ocorre alta no dia seguinte à cirurgia, quando há evolução normal e precisará de curativos especiais, trocados periodicamente pela equipe no consultório por um período de até dois meses. A retirada dos pontos ocorre entre o 7o e o 15o dia após a cirurgia. O processo de retirada dos pontos não é doloroso. A paciente costuma banhar-se completamente já no 2o ou 3o dia após a operação. 

Dra. Alessadra Grassi Salles

Médica, cirurgiã-plástica, Coordenadora do Grupo de Cirurgia Plástica Estética do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.